Também estou...


No Twitter:


No Facebook:


Carlos Zorrinho's Facebook profile

No arquivo deste blogue:

Prova dos Nove (Nova Versão)

Mesmo quando os ventos correm de feição não é fácil ser político, empresário, criador, formador, administrador ou qualquer outra coisa que mexa com a gestão da mudança, os interesses instalados e as dinâmicas de transformação da sociedade. É no entanto quando os tempos são difíceis que é verdadeiramente colocada á prova a têmpera e a qualidade das mulheres e dos homens a quem a sociedade confia a liderança e o trabalho pioneiro de a conduzir a novos equilíbrios e a novas soluções.

Se revisitarmos a história depressa concluímos que aqueles que a marcaram de forma profunda e perene, raramente foram os gestores da abundância e da prosperidade. A necessidade aguça o engenho e convoca quem é forte, convicto e tenaz para levar a nau a bom porto no meio da tempestade. Muitos perecem na caminhada mas os que a fazem e os que a tentam, asseguram um lugar diferente dos que se acobardam, atemorizam e diluem na inacção ou dos que se esvaem a armadilhar o caminho de quem quer avançar.

Em tempo de mudança disruptiva aplica-se mais do que nunca o princípio de que quem arrisca e tenta pode ganhar ou perder, mas quem desiste perde e falha sempre. Os tempos que aí vêm vão ser muito exigentes e uma verdadeira prova dos nove para cada um de nós.

Passado o turbilhão virá ao de cima a verdade sobre o valor e a coragem de cada um. O valor e a coragem dos que tentaram e conseguiram. O valor e a coragem dos que tentaram e não conseguindo estiveram na corrente da solução. O valor e a coragem traídas pelos que não forem além das palavras, das lamúrias, dos lamentos e das desculpas.

Aproximam-se tempos de verdade. Os demagogos e pregadores da desgraça tremem que nem varas verdes, porque sabem que a partir de agora as palavras não chegarão para os manter na boca de cena. Serão as acções e os seus resultados que marcarão o futuro e darão conteúdo à história. Que definirão os heróis e os vilões. Que mostrarão a cada um de nós o que somos e o que valemos. Que permitirão à sociedade decidir quem merece estar entre os líderes e quem merece cair do pedestal ostentando os seus pés de barro.

Aproximam-se tempos de verdade. Enfrentemo-los com energia e determinação. É uma prova dos nove. Está na nossa mão ajudar a que, feita a prova dê certa a conta, ajudando Portugal e dando mais sentido ao esforço e ao trabalho de cada dia.
Comentários
Ver artigos anteriores...