Mobilidade Inteligente




 

Lembro-me que na minha juventude os motores a gasóleo eram sobretudo associados aos ambientes fabris e aos transportes pesados. Pouco a pouco, a resiliência desses motores e a fiscalidade favorável, foi fazendo com que também nos transportes ligeiros de passageiros e de mercadorias, os motores a gasóleo fossem conquistando cada vez mais espaço. Em resposta a essa procura crescente, a indústria automóvel europeia tornou-se líder global nessas motorizações.

                                                                 

Há alguns meses, o sucesso da indústria europeia nas motorizações a gasóleo “colidiu” frontalmente com a preocupação crescente na Europa e no mundo com a redução de emissões poluentes, com a qualidade do ar, com a redução do aquecimento global e com o bem-estar das pessoas. Cálculos fundamentados alertam-nos para a morte prematura de quase meio milhão de pessoas e para um custo direto de aproximadamente mil milhões de euros em cada ano devido à poluição do ar que respiramos na União Europeia.

 

Esta colisão foi ainda mais grave por resultar de um processo de ocultação. Ao que se sabe, cerca de 11 milhões de veículos do Grupo Volkswagem foram equipados com “software” que permitiu reduzir artificialmente as emissões de óxidos de azoto nos testes de conformidade.

As instituições europeias foram rápidas em exigir ao Grupo Vokswagem que assuma todos os custos da fraude. Os custos de reputação para a marca e para a indústria europeia foram enormes. Impõe-se agora uma ação ponderada e eficaz, que apure responsabilidades, mitigue efeitos e previna repetições de situações similares no futuro.

 

O Parlamento Europeu decidiu criar uma Comissão de Inquérito ao processo. Os Governos Nacionais (Conselho), pelo seu lado, decidiram propor a introdução de testes de emissões em contextos de condução real, mas ao mesmo tempo adotaram uma margem de tolerância de 110% até 2017 e 50% até 2020 devido à alegada imprecisão dos instrumentos de medição em contextos variáveis. Em reação, a Comissão de Ambiente do Parlamento Europeu, que integro, saudou a introdução dos testes em contexto real, mas aprovou por larga maioria uma objeção à margem de erro permitida.

 
A indústria europeia lidera uma importante fatia do mercado automóvel baseada em motores a gasóleo. Isso gera riqueza e emprego. O desempenho ambiental dessas tecnologias é no entanto cada vez mais colocado em causa. Importa por isso avançar para um modelo de mobilidade inteligente, conjugando dois passos simples e que na minha opinião podem ser simultâneos; ajudar a indústria automóvel europeia a recuperar a sua reputação no gasóleo com transparência e inovação tecnológica e marcar desde já lugar na liderança da nova era da mobilidade inteligente. A era da mobilidade elétrica
Comentários
Ver artigos anteriores...