Visto de Casa (14/05)

Ontem aqui por Évora esteve um dia muito chuvoso e cinzento. Na nesga de acalmia que me permitiu fazer a minha corrida diária, cruzei-me com três senhoras,que em frente a uma loja que tem uma rudimentarmáquina de café, respeitando a distância física recomendada, conversavam e saborearam num pequeno copo de plástico uma bica de faz de conta.Deve ter sabido melhor que muitas das bicas bem tiradas que tomaram nos tempos da antiga normalidade.

Muitos de nós temos em casa máquinas mais ou menos sofisticadas de café e as cápsulas das diferentes marcas são cada vez de melhor qualidade. Mas nunca houve nem há nada como uma bica bem tirada, fruída num café cheio de amigos e conhecidos. Agora ainda se nota mais a diferença. Saudades das pequenas coisas.

Continua a decorrer até amanhã o plenário do Parlamento Europeu. A resolução parlamentar sobre o quadro financeiro plurianual, o reforço dos recursos próprios e o plano de recuperação e transformação foi ontem debatida, mas ainda não foi votada. 

Não espero grandes surpresas dessa votação tendo em conta a maioria que a suporta, mas não sendo o voto secreto, é uma decisão individual de cada eleito. Só se pode cantar vitória com os votos contados. Neste caso, diria mesmo, com os votos contados e as decisões concretizadas.

O Parlamento Europeu não tem iniciativa legislativa. Divide com o Conselho a aprovação das iniciativas legislativas da Comissão Europeia e pode fazer relatórios de iniciativa para induzir a Comissão a legislar. Neste quadro institucional, para que serve uma resolução parlamentar como aquela de vos tenho vindo a falar aqui?

Além de um fortíssimo instrumento de comunicação e de pressão, pelo facto de expressar a vontade maioritária dos representantes diretamente eleitospelos povos europeus, uma Resolução do Parlamento Europeu aprovada de forma folgada contém também um sinal poderoso. 

Uma vez apresentado pela Comissão e aceite pelo Conselho, Quadro Plurianual de Financiamento incluindo o Plano de Recuperação, terão que ser votados e aprovados pela maioria dos Eurodeputados. Repetindo uma imagem desportiva que aqui já usei, com a resolução e o seu conteúdo, se aprovado com maioria sólida, estabelecemos os mínimos olímpicos. Só corre para as medalhas quem os atingir. Até amanhã com muito fôlego e muita saúde.        
Comentários
Ver artigos anteriores...