Um ano depois (Gratidão)


 

 

Faz hoje um ano que se realizaram as eleições para o atual Parlamento Europeu.  Dessas eleições ficou para a história uma vitória clara do PS sobre a direita coligada, suplantando os pauzinhos que muitos quiseram e conseguiram colocar na engrenagem da campanha. Uma vitória histórica que acredito será repetida já este Outono, para bem de Portugal e dos portugueses.

Um ano depois quero partilhar convosco um pequeno balanço pessoal. Sempre tive um critério na minha vida. Fazer escolhas profissionais em que posso fazer acontecer e ser feliz. A minha experiência do Parlamento Europeu tem cumprido plenamente esse duplo critério.



Num Parlamento com 751 representantes de 28 países, a cadeia de decisão é muito complexa. Em vários processos fui dando o meu contributo. Através da comunicação social, das redes sociais,  da "newsletter" ZNews e das peregrinações pelo mundo, pela Europa e pela nossa terra, tenho prestado contas da minha atividade. Um número significativo de decisões favoráveis a Portugal e à visão de Europa que represento tiveram a minha participação. Em que percentagem ou com que importância para o desfecho final? É impossível definir com exatidão face à complexidade do processo institucional de decisão.

Embora de forma lenta, o contexto europeu tem vindo a melhorar. Conhecendo melhor as suas insuficiências, tenho ao mesmo tempo mais confiança na perspetiva reformista que poderá recolocar a União Europeia na linha humanista que presidiu à sua criação. Também para esse impulso reformista é determinante a derrota em Portugal da coligação que sob protetorado, nos gere em nome de interesses alheios.

Ser Deputado Europeu implica experiência. O que eu sou hoje como político e como homem, devo a muita gente. Gente que me ensinou e ensina. Gente que trabalhou comigo e trabalha.  Gente que me apoiou e que me contrariou numa dialética fecunda. Gente que acreditou e acredita em mim. Todas e todos são razão do que eu sou hoje. Um Homem feliz no que faz, realizado e preparado para fazer sempre mais e melhor.

Um ano depois a minha palavra e o meu sentimento de síntese só pode ser um. Estou grato. Grato à vida. Grato à minha Família. Grato aos meus camaradas e aos meus adversários. Grato aos meus amigos e aos meus inimigos. Grato às portuguesas e aos portugueses. Obrigado



 
Comentários
Ver artigos anteriores...