Porque falha o Governo




Considerando todos os indicadores obtidos, só forte enviesamento ideológico (que só não é legitimo porque não foi anunciado antes das eleições e portanto não foi sufragado pelos portugueses) pode permitir considerar que o governo não falhou.

 

Para os desempregados, os emigrantes forçados, os que vêm reduzidos os seus salários e pensões, os que pagam cada vez mais impostos, os que têm cada vez menos procura para os seus negócios, os que tem cada vez mais dificuldade em aceder aos cuidados de sade, os que ensinam com cada vez menos condições´, não restam dúvidas que o Governo falhou. Num estudo de opinião recente o Governo é considerado mau ou muito mau por 70% dos portugueses.

 

Mas onde falha o Governo? Certamente desde logo nos seus objetivos e valores e na falta de sensibilidade social. Disso resultam prioridades para a consolidação económica. É desse pilar do falhanço que quero falar neste texto.

 

O Governo confronta os portugueses com uma falsa dicotomia. Segundo os seus porta-vozes para reduzir o deficit ou é preciso cortar na despesa (normalmente nos rendimentos e serviços para os mais desprotegidos) ou aumentar os impostos. É um discurso contabilístico que esquece a economia, sendo que é na economia que está o segredo.

 

Vou usar um exemplo simples. Recentemente visitei as duas fábricas da Embraer em Évora. É um investimento extraordinário e tecnologicamente avançado. A Embraer e a sua rede de fornecedores e colaboradores permite ao Estado Português cobrar mais impostos sem aumentar os impostos. São os impostos saudáveis que uma economia a mexer gera.

 

Ao mesmo tempo ao criar postos de trabalho qualificados a Embraer e a sua rede de proximidade evita que o Estado tenha que pagar subsídios de desemprego ou outros a muita gente e com isso reduz a despesa.

 

Este pequeno exemplo serve apenas para ilustrar que a escolha não é entre mais austeridade, pela via do corte da despesa ou do aumento dos impostos.

 

Considero que a carga fiscal atingiu há muito o limiar do aceitável. A despesa pode ser ainda racionalizada sobretudo através dum melhor funcionamento da administração e de maior capacidade de regulação dos sistemas financiados pelo dinheiro público.        

 

A palavra-chave é no entanto outra. Portugal precisa de mais economia. Teremos em breve mais um pacote de fundos estruturais. Apostemos em apoiar as empresas competitivas e em atrair novas empresas, dando-lhe garantias de uma sociedade saudável e capaz de voltar a apostar no conhecimento e na modernidade. Se assim fizermos, a austeridade patológica ficará como um capítulo negro da nossa história mas desanuviará o nosso presente e o nosso futuro.

 

 

 
Comentários
Ver artigos anteriores...