Projetos de Vida - Estratégias de apoio e fixação de jovens qualificados no Alentejo

Noticiou o Diário do Sul que dia 29 de janeiro a Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central (CIMAC) organizou uma mesa redonda com o objetivo de “refletir e lançar as bases para uma solução concreta, coesa e transversal para o problema do alojamento universitário em Évora”. 

Já que a mesa foi redonda convém que o discurso não seja. A Câmara Municipal de Évora de há muito que deveria ter tido uma ação mais proactiva na criação de condições de alojamento para os alunos carenciados que escolhem a Universidade de Évora para estudar e também para atrair fixar jovens de elevado potencial no ConcelhoEstá agora estar a refletir nessa possibilidade. Seja bem-vinda a reflexão, embora ela coincida com a estranha decisão da edilidade eborense de recusar, sem negociação com o Governo e por puro centralismo ideológico, exercer em proximidade funções descentralizadas.

A noticia sublinha também que estão lançadas as bases para uma cooperação ativa com a Universidade de Évora, a qual em boa hora se candidatou a construir um polo residencial que criará mais 306 camas com acesso a custo controlado. No final, reza ainda a noticia citada, foi pelos presentes aprovada uma moção. Antes tivessem aprovado um plano de ação que é disso que a nossa terra precisa.

Municípios contíguos ao de Évora tem aliás desenvolvido programas de acolhimento de estudantes que demonstram uma grande compreensão do que é a sua missão social e de como estes passos ajudam os jovens estudantes no presente e podem constituir fatores de fixação de gente nova e qualificada no futuro.

A este propósito, no debate Roteiros 2019 / desafiar o Futuro realizado na CCDRA e que já aqui referi em texto anterior, propus como uma das medidas para enfrentar o bloqueio da desertificação do território alentejano a promoção de um modelo de apoio à formação / fixação de jovens na região, a que chamei “projetos de vida” juntando em parceria autarquias, centros de conhecimento e empresas, para oferecer a jovens de elevado potencial da região e fora dela pacotes que incluam apoio à formação, ao alojamento e compromisso de emprego por tempo definido em função compatível e do interesse das empresas envolvidas.

Tenho consciência que esta, como muitas das outras medidas que preconizei e preconizo são de difícil implementação e talvez exijam algum enquadramento legal novo. Mas as medidas fáceis já foram todas feitas e não chegam para o que queremos. As moções são importantes, mas as ações é que marcam o destino. Arranjar desculpas não resolve nada. Ultrapassar obstáculos e fazer acontecer é o caminho. Um projeto de vida que vale a pena.
Comentários
Ver artigos anteriores...