Visto de Casa (09/05)

Hoje é Dia da Europa. Há muitos anos que o dia da Europa não era assinalado e celebrado como este ano será. Uma celebração diferenteAs pessoasaperceberam -se como o sucesso ou o insucesso da União Europeia no combate contra a pandemia e os seus impactos vai marcar o futuro do projeto europeu,mas também a vida de cada um de nós. Acabou a indiferença.

Se a União Europeia falhar será a mais estrondosa vítima do COVID19. Se sobreviver, terá que ressurgir mais forte, mais coordenada, mais solidária e mais inspiradora para o mundo. 

Já nos esquecemos que a União Europeia garantiu sessenta anos de paz e liberdade aos países que a foram progressivamente integrando. Pensamos que são dados adquiridos. Quem conhece as reviravoltas da história sabe que não são.

Para muitos a União Europeia significa mais ou menos fundos, apoios, bolsas. É uma espécie de caixa automática onde se deposita e levanta dinheiro de acordo a riqueza e a dimensão de quem o faz. Mas é muito mais que isso.

Nos tempos da acalmia, o desaparecimento político da União foi duplamente convenienteConveniente para amáquina tecnocrática que podia trabalhar sem escrutínio popular para os decisores políticos que emcada País assumiam o mérito único do que conseguiam em parceria (culpando a União por tudo o que corria menos bem). Mas já não estamos nos tempos daacalmia. Agora estamos notempos de pandemia.

Acabou-se a indiferençaAs pessoas começaram a olhar de novo para a União com sentimento. Comsentimento de esperança ou com sentimento de desilusão. Com sentimento de confiança ou com sentimento de medo, mas com sentimento.

Quando se sente algo em relação a uma pessoa ou em relação a uma instituição, elas passam a fazer parte de nós e nós parte delasNeste dia da Europa há muito mais gente consciente, que para o bem e para o mal,que é também um cidadão da União Europeia.

As pessoas voltaram a olhar para a União Europeia. Uns gostaram mais e outros menos daquilo que viram. Entre o amor e o desamor, a Europa no seu dia, tem o desafio maior de voltar a conquistar o coração dos seus cidadãos. Só assim poderá ter força para ultrapassar as dificuldades que enfrenta e inspirar o mundo. Até amanhã, com muita Europa e muita saúde.

Comentários
Ver artigos anteriores...