Honrar a Politica

Honrar a Política

Num momento em que cresce um pouco por todo o mundo democrático a desilusão com as instituições e com os atores políticos, em parte devido à sua incapacidade de cumprir as expectativas dos povos e noutra parte devido a campanhas orquestradas para denegrir a regulação plural e consagrar um mundo autoritário e subjugado à lei dos mais fortes, honrar a política exige honrar a palavra, prometendo o que é possível cumprir e concretizando aquilo que se prometeu.

Fazer o que enunciei não é fácilsobretudo quando se trata de conseguir plataformas que viabilizam grandes investimentos ou opções estratégicas. Nestes casos é difícil para uma instituição ou um ator político comprometer-se com concretizações chave na mão, quando essa concretização implica complexos processos de negociação, pressão ou concorrência com opções alternativasPor vezes para fazer acontecer tem que se aceitar o risco de não cumprimento apesar do empenho e do desejo de quem propõe. Nestes casos deve ser prometido esforço total em conseguir concretizar o que se propõe e a avaliação deve ser feita pelo nível de perseverança com que isso é tentado.

Dois exemplos, entre muitos outros, ilustram o que antes referi. O Partido Socialista, nos seus compromissos programáticos regionais e nacionais em 1995, comprometeu-se com um empenho forte na construção do Empreendimento de Fins Múltiplos do Alqueva e com o desenvolvimento da rede de infraestruturas de saúde, em particular com a abertura do Hospital do Patrocínio em Évora, com a modernização da rede de centros de saúde por toda a região e posteriormente com a construção do novo Hospital Central do Alentejo.

Passaram duas décadas. Alguns destes compromissos andaram mais depressa e outros mais devagar.  Os anos em que democraticamente os portugueses decidiram atribuir a governação às coligações PSD/CDS foram anos de travagem a fundo. Contudo, com a irreversibilidade agora garantida da construção do novo Hospital Central do Alentejo, posso escrever com orgulho, como um dos subscritores destescompromissos com os alentejanos, que tendo a palavra dada sido cumprida, honrámos a política e servimos as pessoas.

As eleições europeias que se realizam a 26 de maiodeste ano serão determinantes para garantir condições favoráveis para que o processo de desenvolvimento sustentável em Portugal possa prosseguir. As eleições legislativas de 6 de outubro determinarão as escolhas de proximidade sobre o que se fará a seguir.

Espero que os exemplos que aqui enunciei sobre o honrar da palavra dada inspire estas eleições em todos os quadrantes. A democracia é demasiado importante para que quem quer que seja a capture para uso próprio através da demagogia e a destrua ainda maisaos olhos dos cidadãos.

Comentários
Ver artigos anteriores...